3. Jul, 2018

Farm chicken rice and vegetables: Arroz de frango do campo e legumes

This posting is both in English and Portuguese

Is cooking the recipe for mental wellbeing?

Take mindfulness, creativity and a dash of focus. Fold together gently, bake in a slow oven and watch your spirits rise. Yes, your time spent in the kitchen can enhance your mood and promote mental wellbeing. While cooking is clearly a means to satisfy the body’s need for food, it’s increasingly being recognised as a way of nurturing the mind. A study in the International Journal of Humanities and Social Science looked at the therapeutic qualities of cooking as a hobby, including its reported ability to cause a dimmed sense of time and an altered sense of consciousness. The researchers found that the act of cooking improves a person’s wellbeing and is associated with life satisfaction. Additionally, they discovered that cooking was the best predictor of subjective happiness. For some, time spent in the kitchen engrossed in baking and cooking may be exactly the recipe needed for greater happiness and mental wellbeing. I feel gratitude for what I have in this life. I seek love, give love, ask for love and in cooking for those I love, I am giving them my appreciation, compassion, happiness, peaceful thoughts and love as ingredients. When I’m cooking, the world is a peaceful place, and my kitchen is where I want to be. Nonetheless, I’ve earned timeless lessons in patience to cook certain foods slower or at lower temperatures for optimal nutrition and flavour, discipline in cooking with ingredients that are better for our bodies and constructive criticism when the food just doesn’t come out the way I had expected. Cooking is my own form of free therapy: I’ve made some rather original and tasty meals with my continuous practiced craft, I love seeing everyone enjoy a freshly homemade meal: I get so used to cooking, that I sometimes forget “how good” some dishes really turn out, the smiling faces of my family or friends tell me that I’m doing something right. I’ve gotten much better at staying within a budget when grocery shopping, and understanding the value of purchasing more fresh and local products. By taking the steps to grocery shop, meal plan, and cook fresh for each meal, I’ve learned to be more responsible with my spending habits, seeing the value in everything: Seriously, I do see the value in every-thing. This is what makes me happy. It’s not just the eating. It’s the decision making, often spontaneous while I’m shopping. It’s the prep. It’s the doing, the chopping the slicing. It’s the aroma. And then, finally, it’s the eating. Between Luisa and I, we cook most of the food we eat, in our kitchen. By cooking food to nourish my body, I feel a connection keeping my spirit balanced, thus being more in tune with my purpose in life (I’m managing to be better and feel healthier).

Taking photos is a hobby of mine, and especially of delicious food: I guess by now, you should know that I am what you would call an “amateur photographer”. Something about visuals that just make my soul happy. I can always look back and remember the smells and feelings of how it was like cooking and eating any particular dish. When you look at a beautiful, vibrant garden, does it make you feel a certain way? Does it make you feel better than looking at a drought ridden garden? Do you feel more fluid and free when you are near an ocean? Does a home filled with endearing smells of fresh food, feel better than walking into one that is stale? Just think about these for a moment.

Farm chicken rice and vegetables: I love rice dishes! It is my favourite meal and ideal for lunch or dinner during week days. A meal full of nutrients, easy to digest and relaxing for the stress accumulated throughout the day. My aunt Fernanda used to make a delicious farm chicken rice with vegetables ... I tried to reproduce the same. It was very good I must say, but nothing that could come near hers. Of course I have to say that she was made hers with home raised chickens that she breed with lots of love and care and that the meal was cooked on a Wood Burning Cook Stove! This alone makes the recipe almost impossible to recreate in my modern kitchen. But when making this chicken rice, it was of my aunt Fernanda that I was thinking about ...Ingredients: 1 Farm Chicken of around 1,2 Kg, 1 Onion medium, 3 cloves of Garlic, 2 Garlic, 400 grams of mushrooms, 250 grams of green beans, chicken stock (previously made) 1 glass of white wine Alvarinho, 2 cups full of rice, extra virgin olive oil, salt to taste, coriander cut thin, parsley, Preparation: Season the chicken (previously remove the skin) and cut into pieces, with salt. Chop the onion and the garlic cloves and place in a large pot with the extra virgin olive oil. Allow to brown at medium heat. Cut the mushrooms into thin slices, then cut the green beans into smaller pieces, also the leek in thin slices, add to the onion and garlic. Introduce the chicken and let it brown a little. Add glass of the white Alvarinho wine and some of the chicken stock (previously made). Cover and let it cook for 15 minutes. Add the rice and cover with broth. Check seasoning and add the coriander. Cover until the rice is cooked. Pour into a terrine and sprinkle with parsley before serving. Enjoy the dish.

Será que cozinhar faz bem à saúde mental?

Tome plena atenção, foco e criatividade, incline-se gentilmente, leve ao forno lento e observe que se elevam o humor, a alegria e a disposição. Sim, o tempo que emprega na cozinha pode melhorar o seu humor e promover o bem-estar mental. Enquanto cozinhar é claramente um meio de satisfazer a necessidade de dar comida ao corpo, é cada vez mais reconhecido como uma maneira de nutrir a mente. Um estudo no International Journal of Humanities and Social Science, examinou as qualidades terapêuticas da culinária como um hobby, incluindo sua capacidade relatada de causar um senso de tempo obscurecido e um senso alterado de consciência. Os pesquisadores descobriram que o ato de cozinhar melhora o bem-estar de uma pessoa e está associado à satisfação com a vida. Além disso, descobriram também que cozinhar era o melhor preditor de felicidade subjetiva. Para alguns, o tempo gasto na cozinha absorto em confeccionar e cozinhar boa comida, pode ser exatamente a receita necessária para uma maior felicidade e bem-estar mental. Sinto gratidão pelo que tenho nesta vida. Procuro amor, dou amor, peço amor e na cozinha dou a todos o meu apreço, compaixão, felicidade, pensamentos pacíficos e amor como ingredientes. Quando estou a prepare comida, o mundo é um lugar tranquilo e a minha cozinha é onde eu quero estar. No entanto, já acumulei muitas lições atemporais de paciência para poder cozinhar certos alimentos com mais tranquilidade e com temperaturas mais baixas, para conseguir a nutrição e os sabores ideais. A disciplina culinária complementada com  ingredientes frescos e naturais, sem duvida são o melhor que podemos dar ao nosso  corpo. Sem duvida que críticas construtivas quando a comida simplesmente não sai bem são também necessárias. Cozinhar é minha própria forma de terapia livre: Faço algumas refeições bastante originais e saborosas utilizando dedicação e prática contínua, adoro ver todos que me rodeiam a desfrutarem de uma boa refeição caseira: como já estou tão acostumado a cozinhar, que às vezes esqueço "como são bons" alguns dos pratos que confecciono e ao ver os rostos sorridentes da minha família ou amigos, isso sim me desperta  e transmitem com o brilho nos olhos que estou fazendo algo certo.  Com o decorrer do tempo estou a ficar muito melhor no que diz respeito  a enquadrar dentro de um orçamento quando faço compras e compreendo o valor da compra de produtos mais frescos e locais. Ao dar os passos para fazer compras, planejar refeições e preparar pratos frescos para cada refeição, tenho aprendido a ser mais responsável com meus hábitos, comprovando o valor em tudo: sério, vejo o valor em tudo. Isso é o que me faz feliz. Não é só o comer. É a tomada de decisão, muitas vezes espontânea enquanto estou fazendo compras. É a preparação. É o fazer, cortar o corte. É o aroma. E então, finalmente, é o comer. Entre Luisa e eu cozinhamos a maior parte da comida que comemos, em casa, na nossa cozinha. Ao cozinhar a comida para nutrir meu corpo, sinto uma conexão que mantém meu espírito equilibrado, ficando mais em sintonia com meu propósito na vida (estou conseguindo ser melhor e me sentir mais saudável).

Fazer fotografia é outro hobby dos meus, e especialmente de comida deliciosa: eu acho que agora deveria confessar que sou o que se pode chamar um “fotógrafo amador”. Algo sobre recursos visuais que apenas fazem a minha alma feliz. Eu sempre posso olhar para trás e lembrar os cheiros e sentimentos de como era cozinhar e comer qualquer prato em particular. Há varias preguntas que eu gosto de fazer, por exemplo: Quando olha para um jardim bonito e vibrante, isso o faz sentir de certa maneira feliz? Dá-lhe uma melhor sensação do que olhar para um jardim seco e sem vida? Sentes-te mais fluido e livre quando estás perto do mar? Será que uma casa cheia de cheiros aromáticos de comida recém-cozinhada te faz sentir melhor do que entrar numa casa fechada com cheiros antigos? Acho que e bom pensar sobre isto por um momento.

Arroz de frango do campo e legumes

Adoro pratos com arroz! É a minha refeição predileta e ideal para o almoço o jantar durante os dias da semana. Uma refeição cheia de nutrientes, fácil de digerir e relaxante para o stress acumulado durante todo o dia. A minha tia Fernanda fazia um arroz de frango com legumes delicioso... Tentei reproduzir. Ficou muito bom, mas nada que chegasse aos calcanhares do dela. Claro que tenho de dizer que o dela era feito com frangos caseiros que ela criava com muito amor e carinho, e que era cozinhado num fogão de lenha! Só isto faz com que a receita seja quase impossível de recriar na minha casa. Mas ao fazer este arroz de frango, foi na minha tia Fernanda que pensei... Ingredientes: 1 Frango do campo 1,2 Kg, 1 Cebola media, 3 dentes de Alho, 2 Alho francês, 400 gramas de cogumelos, 250 gramas de feijão verde, Caldo de galinha (previamente confeccionado) 1 copo de Vinho branco Alvarinho, 2 chávenas cheias de arroz agulha, Azeite virgem extra, Sal  q.b, coentros q.b., Salsa q.b. Preparação: Tempere o frango (deve retirar a pele) e partido em pedaços, com sal. Pica-se a cebola e os dentes de alho e põe-se a alourar com azeite. Cortar os cogumelos em laminas finas,  cortar o feijão verde em pedaços e também o alho francês às rodelas finas, juntar à cebola e ao alho. De seguida adicionasse o frango e deixa-se alourar um pouco. Adiciona-se um copo de vinho branco Alvarinho e um pouco do caldo de galinha (previamente confeccionado). Tapa-se e deixa-se apurar por 15 minutos. Deita-se o arroz e se junta o restante caldo. Retifica-se os temperos e acrescentam-se os coentros. Tapa-se até o arroz cozer. Deita-se numa terrina e polvilha-se com salsa antes de servir. Bom apetite!

Como confecionar um de caldo de galinha com pouca gordura quo pode ser usado de diversas maneiras, como na preparação de sopas, de arrozes, de molhos e para realçar o sabor de pratos com legumes e verduras. Se pode prepare antes e se quiser, pode congelar o caldo de galinha. Ingredientes: uma galinha, 1 cebola grande, cortada na metade, 3 cenouras cortadas em pedaços pequenos, 3 talos de aipo,1 raiz de gengibre pequena, descascada e picada, Sal a gosto. Preparação: Numa panela grande, coloque a galinha corta em quartos. Acrescente água até cobri-la e deixe até que ferva. Reduza o fogo e deixe a galinha cozinhar durante uma hora. Retire a galinha da panela, mas mantenha a água. Quando a galinha estiver fria, deve desfiá-la e deixe a carne separada. Coloque os ossos e a pele do frango na água do cozimento. Adicione a cebola, a cenoura, o aipo, o louro, o gengibre e o sal. Coloque a panela a fogo baixo, deixando que cozinhe por mais o menos 3 horas. Use um passador fino, coe o caldo de galinha, deixando-o arrefecer. A carne d agalinha que foi separada pode ser usada em sopas, saladas, sandes ou da maneira que você quiser. Depois que o caldo de galinha esfriar, retire a gordura que se forma na superfície. Congele para utilizar noutra ocasião.

How to make a low-fat chicken broth that can be used in a variety of ways, such as preparing soups, rice’s, sauces and to enhance the flavour of dishes with vegetables. If you can prepare before and if you want, you can freeze the chicken broth. Ingredients: 1 chicken, 1 large onion, cut in half, 3 carrots cut into small pieces, 3 stalks celery, 1 small ginger root peeled and chopped, Salt to taste. Preparation: In a large pot, place the chicken cut into quarters. Add water until it is covered and let it boil. Reduce the heat and let the chicken cook for an hour. Remove the chicken from the pot, but leave the water. When the chicken is cold, you should shred it and reserve the meat. Place the bones and skin of the chicken in the pot together with the cooking water. Add the onion, carrot, celery, ginger and salt. Place the pot on low heat, letting it cook for about 3 hours. Use a thin strainer and strain the chicken broth, letting it cool. The chicken meat that had been reserved can be used later in soups, salads, sandwiches or any way you want. Once the chicken broth has cooled, remove the fat that forms on the surface. Freeze and use when required.