18. Jun, 2018

Arroz de Coelho Malandrinho : Portuguese “Malandrinho” Rabbit Rice

Os caminhos que me conduzem a confeccionar uma receita às vezes têm curvas e contracurvas. Na base, está sempre a comida reconfortante, a comida da memória, dos afectos, feita pela minha tia Fernanda . É inevitável esta influência, pelo menos para mim. Mas o que me leva a fazer uma receita muitas vezes deixa-me a pensar. A pensar na minha vida e de como gostaria que fosse interessante e cheia. Mas não é isso que todos nós pretendemos? Um dia, olharmos para trás e dizermos: "Eu vivi!". Será que fazemos alguma coisa ao acaso? As nossas escolhas são mesmo nossas? Às vezes parece-me que existem forças superiores que nos agarram as mãos e nos conduzem, como se estivéssemos de olhos vendados. Acho que não acredito no destino, mas há dias em que penso que nem tudo é fruto dos caminhos que escolhemos. Talvez existam forças invisíveis que nos dão pequenos empurrões e nos gritam em surdina: "Agora, por aqui ..." ou "Não, não, para aí não!".

A minha vida reflecte o modo como cozinho e o que cozinho é influenciado pela minha vida. Uma das comidas que adorava quando era jovem  era um arroz de coelho que a minha tia Fernanda  fazia. Que bom! Há uns tempos atrás a Luisa e Eu fomos jantar com um grupo de amigos a um restaurante perto da nossa casa em Monção, onde tive o privilégio de comer um arroz de coelho que não esqueci. Foi por estas duas influências que no fim-de-semana pasado decidi fazer esta receita. Às vezes quando se gosta muito de um prato, tem-se medo de destruir a memória que temos dele e, por isso, não arriscamos a confeccioná-lo, para que ele continue especial. É como certos locais que visitamos e nos marcaram, às vezes o melhor é não destruir a memória que temos deles. Mas com este arroz de coelho não foi o caso. Obra do destino? Ou das opções que fiz? Bem, todo este discurso metafísico deve ser influência de um film de magia que vi no otro dia. A vida com um pouco de magia, parece-me bem e mais interessante! 

Ingredientes: 1 coelho partido aos pedaços (aproximadamente 1Kg) 5 dentes de alho, sal e pimenta, 2 folhas de louro, 0,5L de vinho branco( Alvarinho) 1dl de azeite virgem extra, 1 cebola picada, 3 tomates maduros limpos de peles e sementes, 2 cenouras, 350g de arroz carolino, caldo de carne previamente preparado, coentros picados  para servir. Preparação: Deixar o coelho em vinha d´alhos durante 6 a oito horas ou até mesmo de um dia para o outro. Para isso, colocar o pedaços de coelho num recipiente com sal, pimenta, e 3 dentes de alho picadinhos, as folhas de louro e o vinho branco. Refogar a cebola no azeite virgem extra . De seguida adicionar o tomate e a cenoura cortado em pequenos cuadradillos . Deixar cozinhar um pouco e adicionar o coelho e um poco do caldo de carne. Tapar o tacho e deixar cozer o coelho. Adicionar o arroz carolino e juntar o caldo de carne e ir juntando conforme for necessário. Mexer de vez em quando e rectificar o sal. Assim que o arroz estiver cozido, servir polvilhado com coentros  picados.  Eu adoro o arroz de coelho com um pouco de caldo, malandrinho. Os pratos de arroz, típicos da nossa gastronomia, são excelentes quando acabados de confeccionar e seguirem logo para a mesa. Se esperarem por alguém, ficam secos, perdem a graça. Nessas alturas, não há magia que lhes valha! ;) Espero que gostes desta receita e “por favor” deixa um comentário na minha pagina. Obrigado.

 

The ways that lead me to make a recipe sometimes have diferente influences. Nevertheless at the base, there is always excellent comforting food, the food of memory of affection, especially the one  made by my Aunt Fernanda. This influence is unavoidable, at least for me. But what drives me to make a recipe often leaves me wondering. Thinking about my life and how I would like it to be interesting and full. But is not that what we all want? One day, one can look back and say, "I lived!". Do we do anything at random? Are our choices really ours? Sometimes it seems to me that there are superior forces that grab our hands and lead us, as if we were blindfolded. I think!  I do not believe in fate, but there are days when I think that not everything is the fruit of the paths we have chosen. Maybe there are invisible forces that give us little shoves and shout at us, "Now, this way ..." or "No, no, not there” all is possible. 

My life reflects the way I cook and what I cook is influenced by my life. One of the dishes  I loved when I was a young boy, was a rabbit rice my Aunt Fernanda used to make, it was wonderful ! Some time ago Luisa and I went to dinner with a group of friends at a restaurant near to our village in Portugal, where I had the privilege of eating a rabbit rice that I did really enjoy. It was due to both the above mention influences that last weekend I decided to make this rabbit rice. Sometimes when you are very fond of a dish, you are afraid of destroying the memory that we have of it, and so we do not risk making it, so that it remains special. It is like certain places that we have visited and have marked us, sometimes it is best not to destroy the memory that we have of them. But with this rabbit rice, this was not the case. Work of fate? Or the choices I made? Well, all this metaphysical thoughts  must be influenced by a film of magic  I watched the other day. Life with a little magic, it seems a lot more interesting!

Ingredients: 1 rabbit cut in pieces  (about 1kg) 5 cloves garlic chopped , salt and pepper, 2 bay leaves, 0.5L white wine (Alvarinho) 1dl extra virgin olive oil, 1 chopped onion, 3 ripe tomatoes cleaned without skins and seeds, 2 carrots, 350g of “carolino” rice, a pot of previously prepared meat broth, chopped coriander to serve. Preparation: Leave the rabbit in a marinade  for 6 to 8 hours or even overnight. Place the rabbit cut into pieces in a container with salt, pepper, 3 chopped  garlic cloves, bay leaves and white wine. Place a pot on the stove and Sauté the onion and slices of two garlic cloves,  in extra virgin olive oil. Then add the tomatoes and the carrots cut into small squares. Let it cook a little and add the rabbit and some of the previously prepped meat broth. Cover the pan and cook the rabbit. Add the “carolino” rice ( The carolino rice is a long grain rice, which is distinguished from grain rice for its shorter length and the pasty appearance when cooked.) add a enough meat both to cover all ingredients, keep adding if necessary. Stir  from time to time and rectify the salt as required. Once the rice is cooked, serve and sprinkled with chopped coriander. I love the rabbit rice with some broth, “ malandrinho”. The rice dishes, typical of Portuguese gastronomy, are excellent , but when cooked it must be taken  straight to the table. If you have to wait for someone, it will get dry and  loses its grace. At this point, there is no magic that can repair the damage ! ;) I hope you enjoy this fantastic dish and please don’t forget to leave a comment on my page. Thank you